Rastreamento de ativos: entenda como essa estratégia é aplicada

Você já ouviu falar em rastreamento de ativos? A infraestrutura de TI de uma empresa está cada vez mais móvel e flexível. Hoje, negócios contam com o apoio de smartphones, tablets, notebooks e aparelhos da IoT para executarem as suas ações com qualidade e integrados a tecnologias como a nuvem.

Nesse contexto, saber onde cada equipamento se encontra é fundamental para a segurança da companhia. Isso evita furtos e melhora o controle sobre o uso de equipamentos. Assim, processos de gestão podem ser otimizados, evitando problemas de performance ou confiabilidade.

Quer saber mais sobre o tema e como o rastreamento de ativos pode ser incorporado ao seu dia a dia? Então confira o post a seguir!

O que é o rastreamento de ativos?

O rastreamento de ativos é uma política que permite à empresa manter um controle contínuo sobre os equipamentos que fazem parte da sua infraestrutura. A partir da adoção de sensores e mecanismos de monitoramento, a empresa pode identificar a localização de cada dispositivo computacional. Assim, fica mais fácil para a companhia saber como eles são utilizados e o que pode ser feito para melhorar o seu uso.

Como ele funciona?

A gestão e o rastreamento de ativos de TI são feitos, em geral, por meio da integração de soluções de software com sensores sem fio. Eles incluem (mas não se limitam) a mecanismos como:

  • sensores Wi-Fi;
  • tags de ID de frequência de rádio (as chamadas etiquetas RFID);
  • beacons conectados por meio do Bluetooth de baixa energia (BTE).

O negócio pode utilizar apenas uma dessas opções ou todas elas interconectadas. Elas são rastreadas com o apoio de soluções específicas que, espalhadas pela empresa, detectam a sua presença e mandam um alerta para o gestor. Desse modo, ele saberá exatamente onde cada equipamento está em tempo real.

Por que é importante realizar esse processo?

Para quem trabalha com a gestão de TI, o rastreamento de ativos é fundamental. Saber como os equipamentos são utilizados é um passo básico para reduzir riscos operacionais. Além disso, permite ao empreendimento manter políticas de gestão e governança de TI mais robustas e alinhadas com a sua realidade.

A identificação em tempo real da localização do aparelho facilita, por exemplo, a formulação de processos de segurança de ativos. A empresa poderá reforçar as áreas em que os equipamentos mais valiosos estão. Assim, roubos são evitados de um modo mais inteligente.

Mapas de calor podem ser criados para identificar onde os equipamentos normalmente ficam e são mais utilizados. Isso garante que investimentos em redes sem fio e ferramentas de segurança digital sejam melhor direcionados. Afinal, a empresa terá dados precisos sobre quais setores devem ser priorizados.

Em casos de emergência, essa política também pode ser aplicada. Ela dará aos times os dados necessários para localizar usuários e evitar prejuízos. A ação, nesse caso, será mais rápida, mitigando os impactos negativos que um problema traz.

O rastreamento de ativos, em outras palavras, é fundamental para compreender como a infraestrutura é utilizada e o que pode ser feito para otimizar cada detalhe dela. Portanto, não deixe de investir nessa estratégia para manter o seu negócio mais eficaz. Afinal de contas, os profissionais poderão aproveitar melhor os equipamentos existentes na criação de serviços e produtos de alto valor agregado.

Gostou da nossa dica? Então assine já a newsletter do blog para ter acesso a outros conteúdos como este!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *